O Grupo 1 Edição Digital Grupo 1 Mobile Fale Conosco
Receba nossas notícias

17/12/2017

Largo da Batata: área de antigo posto vai virar praça

Publicado em 01/11/2017

Terreno de antigo posto será reintegrado à região por meio da iniciativa de moradores e ambientalistas / Plantar em Casa Canal VariedadesDiego Gouvêa

O Largo da Batata deve ganhar em breve mais uma área verde, entre as ruas Paes Leme e Butantã. No espaço, funcionava desde a década de 60 um posto de gasolina, desapropriado há alguns anos para as obras de reconversão urbana. Desde então, o terreno permaneceu isolado do entorno, cercado por tapumes e utilizado como depósito de lixo e entulho por carroceiros, até que ambientalistas e moradores tomaram a iniciativa de revitalizá-lo.

A ideia de recuperar a área de 900 metros quadrados surgiu em maio, durante o plantio de um pequeno bosque em uma área vizinha. “Sempre nos perguntamos o que seria aquele terreno, então procurarmos a Prefeitura e verificamos que se tratava de uma área pública, da Operação Urbana Faria Lima”, conta o ambientalista Nick Sabey. “Era um lugar extremamente cinza, contaminado e escondido de todos, mas vamos conseguir transformá-lo em uma área verde”, completa ele, idealizador do movimento “Novas Árvores Por Aí”, que incentiva o plantio em toda a cidade.

Ao conseguirem a autorização da Prefeitura, os participantes retiraram os tapumes e os antigos tanques de combustível com o apoio de uma empresa especializada. As condições do solo foram analisadas pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e, até o momento, são consideradas favoráveis para a instalação da praça.

Além dos três tanques que estavam enterrados, foram retirados dez caminhões de entulho antes do preparo da terra para a vegetação. “Com a retirada do material, vamos trazer um novo solo para evitar qualquer tipo de contaminação que venha a existir no local”, diz Nick Sabey.     

Local do antigo posto de gasolina (ao fundo), nos anos 60 / Arquivo - DHPPEntre as espécies previstas no espaço estão exemplares nativos da cidade de São Paulo, como araucárias, manacá-da-serra e cambuci. Segundo os autores da ação ambiental, a intenção é batizar a nova área de “Praça das Araucárias”, em alusão à espécie de pinheiro que inspirou o nome do bairro.

Além das árvores, estão previstas a instalação de bancos com encosto e a criação de um jardim que retenha água da chuva. Todos os trabalhos serão realizados por meio de recursos privados e colaborações de pessoas físicas. A praça deve ser concluída entre o final de novembro e o início de dezembro.

Quanto à intervenção realizada em maio no terreno, moradores e ambientalistas realizaram o plantio de 400 árvores nativas da Mata Atlântica. “Era um local extremamente pobre e compactado, onde nenhuma vegetação crescia. De tão árido, acabou virando um depósito de lixo”, conta o botânico Ricardo Cardim, um dos idealizadores da iniciativa junto ao Novas Árvores por Aí. Cerca de 150 voluntários participaram da ação, que não não contou com recursos públicos.

“Os efeitos do trabalho devem ser sentidos pelo público em um ano, quando as copas das primeiras árvores fizerem sombra no passeio”, afirma Cardim.

Outro ponto do Largo da Batata que deve receber árvores é o trecho da Avenida Brigadeiro Faria Lima próximo à esquina com a Rua Martim Carrasco, onde se estuda o plantio de 11 exemplares. A iniciativa é de moradores da região, mas ainda não há previsão para acontecer. 

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
 
         
     


Gastronomia

Colunistas

Tecnologia