O Grupo 1 Edição Digital Grupo 1 Mobile Fale Conosco
Receba nossas notícias

20/09/2017

Força Mental

Publicado em 03/08/2012

A energia dos Jogos Olímpicos se espalha pelo planeta e emociona. A pira olímpica mantém acesa a chama da superação.

 

A energia dos Jogos Olímpicos se espalha pelo planeta e emociona. A pira olímpica mantém acesa a chama da superação. O evento na terra da rainha conta a história e luta de personagens com enredo próprio. Quando imaginamos que tudo já foi visto, o ser humano quebra recordes e ultrapassa limites. Os novos talentos surgem, numa inacreditável obra da natureza. Michael Phelps atinge o apogeu e entra para sempre no Olimpo dos Deuses como maior medalhista das Olimpíadas. Na renovação natural do ciclo da vida, surge a jovem nadadora chinesa Ye Shiwen com performance avassaladora despertando a suspeita dos indignados que usam o doping como desculpa.

Phelps e Shiwen dividem um mérito: a força mental. Esse é o grande diferencial dos vencedores. A maior vantagem e o pior dos inimigos, principalmente para os atletas brasileiros. O ginasta Diego Hipólito não consegue blindar o emocional na pressão olímpica. As quedas fatais, em Pequim e Londres, chegam a ser emblemáticas. Um exemplo real do resultado que o desequilíbrio mental provoca.

Exemplo de equilíbrio, o sul-coreano Im Dong-Hyun, além de medalhista olímpico, já teve diversas conquistas, incluindo quatro títulos mundiais e outras quatro medalhas nos Jogos Asiáticos. Detalhe: Dong-Hyun é praticamente cego. Com apenas 20% da visão no olho direito e 10% no olho esquerdo, foi classificado na Coreia como “legalmente cego”. O que poderia ser uma deficiência, não impediu Dong-Hyun de se tornar um dos melhores arqueiros do mundo. Focado e determinado, Dong- Hyun enxerga apenas o que precisa. Consegue a concentração máxima fixo no amarelo, a poderosa cor do alvo no tiro com arco, um esporte onde o chamado Target Panic afeta 90% dos principais atletas. Na perda de controle na execução do tiro, o pânico alvo, o coreano é firme e poderoso.

Muito mais que incentivo financeiro e de infraestrutura, a expectativa brasileira de medalhas para 2016 deve ser baseada, principalmente, na preparação psicológica de nossos atletas. Que venham momentos decisivos e que sejam forjados na força mental.

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
 
         
     


Gastronomia

Colunistas

Tecnologia