O Grupo 1 Edição Digital Grupo 1 Mobile Fale Conosco
Receba nossas notícias

16/12/2017

GERAÇÃO CIENTÍFICA

Publicado em 21/12/2015

O boom Neymar explodiu as categorias de base do Santos

 

O boom Neymar explodiu as categorias de base do Santos. Segundo matéria especial da Rede Globo, o Santos é privilegiado com peneiras exclusivas em todo o país. Em cada canto do Brasil, uma média assustadora de quase dois mil garotos tentam a sorte. E apenas dois ou três vão lutar por uma vaga no Santos. Só em 2015, três mil foram avaliados nas categorias do clube.
O mágico disso tudo é que os jovens do Santos se tornam os Meninos da Vila.
E essa tradição começou cedo. Nos anos 60, Pepe, Pelé e Coutinho estrearam no profissional com menos de 18 anos. Tá certo que Pelé foi direto para o profissional, mas aí... a gente até entende, né?
Outra geração de Meninos da Vila teve Robinho e Diego, que saíram do Juniores para vencer o Brasileirão de 2002.
Ganso e Neymar ajudaram o Peixe a ganhar uma Libertadores, uma Copa do Brasil e três Paulistas consecutivos entre 2010 e 2012.
Agora, Thiago Maia, Zeca e Gabriel, o Gabigol, levaram um Santos desacreditado à final da Copa do Brasil.
A política do clube facilita a boa acolhida dos jogadores no profissional. A torcida recebe bem os jogadores revelados nas categorias de base, e o que importa não é vencer, mas estar preparado. Segundo essa filosofia, o jogador que sobe para o profissional não volta mais.
O Santos está agora olhando para o futuro. Com base científica, quer desenvolver uma nova geração. Desde 2010, o fisiologista Gustavo Jorge faz um trabalho inédito no Brasil: amostras genéticas.
Aos 12 anos, já existe um fator genético. Com amostras genéticas coletadas da saliva, é possível saber desde cedo qual será a estrutura física do garoto. Com esse resultado, unido a testes de função de movimento, velocidade e força, é possível saber quais são as deficiências do atleta e até em que posição ele poderá jogar no futuro. O resultado final, além do ganho de rendimento, é a prevenção de lesões.
Com todo esse cuidado, ainda assim podemos dizer que surgirá um novo Pelé ou Neymar? Difícil dizer. Os craques não são feitos em laboratório, mas podem ser lapidados lá.
Agora, dom da bola, drible, passes mágicos e às vezes irreais, ah meu amigo... isso máquina nenhuma desenha.
Só Deus... e mesmo Ele...demora...pra caprichar.

 

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
 
         
     


Gastronomia

Colunistas

Tecnologia