O Grupo 1 Edição Digital Grupo 1 Mobile Fale Conosco
Receba nossas notícias

17/06/2018

Estação Oscar Freire é entregue incompleta

Publicado em 12/04/2018

Oscar Freire tem horário parcial de funcionamento, das 10h às 15h / Governo do Estado

Diego Gouvêa / Colaborou Rodrigo Luiz Vianna

O Governo do Estado inaugurou nesta quarta-feira (4) a Estação Oscar Freire da Linha 4 - Amarela do Metrô. Com as obras iniciadas em 2005, a nova parada do ramal que liga a zona oeste ao centro da cidade foi entregue após constantes atrasos no cronograma e com apenas um acesso aos usuários, no lado ímpar da Avenida Rebouças, nos Jardins.   

Na solenidade de entrega, o governador Geraldo Alckmin comentou a ausência de outro acesso à estação. “Falta um segundo acesso, mas não vamos privar a população do acesso principal. Com uma expectativa de 23 mil passageiros por dia, não há razão de impedir o acesso”, afirmou ele ao ser questionado se teria inaugurado a parada nessa condição caso não estivesse em ano eleitoral.

Alckmin deixa o Estado nesta sexta-feira (6) para disputar a Presidência da República pelo PSDB. O prefeito João Doria, que também deixa o cargo na mesma data, acompanhou o governador no ato de entrega da estação.

Segundo o governo paulista, o acesso alternativo da Oscar Freire deve ser concluído até dezembro. “Ao escavar, identificamos um solo mais mole do que o esperado quando fizemos o projeto, o que nos fez escavar mais devagar. Vamos trabalhar para que no segundo semestre possamos entregar o acesso”, afirmou o secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, à Gazeta de Pinheiros - Grupo 1 de Jornais.   

Assim como nas demais paradas do sistema metroferroviário da capital, a Oscar Freire terá a operação inicial em caráter de testes, com horário parcial de funcionamento, das 10h às 15h.

Estação foi entregue sem um dos acessos, obra deve terminar no 2º semestre / Grupo 1 de JornaisAs obras da Estação Oscar Freire foram iniciadas há 13 anos pelo Consórcio Via Amarela, composto pelas empreiteiras Odebrecht, Queiroz Galvão, OAS, Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, algumas delas envolvidas na Operação Lava Jato. Essa primeira etapa dos trabalhos consistia em obras estruturais como a abertura de túneis e de áreas para a instalação das futuras plataformas, além de um dos acessos aos passageiros.

A Oscar Freire faz parte da segunda etapa da Linha 4 – Amarela, que inclui as estações Vila Sônia, São Paulo-Morumbi, Fradique Coutinho e Higienópolis-Mackenzie, as duas últimas entregues em 2014 e em janeiro deste ano, respectivamente, após constantes adiamentos. Inicialmente, todas tinham a estimativa de entrega para 2012.

As obras civis da segunda fase foram iniciadas pelo consórcio espanhol Isolux Corsán-Corviam, em 2012. Porém, em julho de 2015, o Estado cancelou o contrato com a empreiteira após as obras serem paralisadas no final de 2014. Antes da rescisão do acordo, a empresa havia acusado o Metrô (Companhia do Metropolitano de São Paulo) de atraso na entrega dos projetos executivos das estações e de não disponibilizar informações técnicas dos mesmos.

Por sua vez, a empresa estatal afirma ter encaminhado todos os planejamentos necessários para o prosseguimento regular dos trabalhos. Em julho de 2016, o Metrô assinou contrato com o consórcio TC-Linha 4, formado pelas empresas Tiisa S/A e Comsa S/A, para a retomada das obras.

A Oscar Freire é a sétima estação de metrô que atende a região de Pinheiros. A Linha 4 - Amarela conta com as paradas Fradique Coutinho, Faria Lima e Pinheiros. Já a Linha 2 - Verde tem no seu traçado as estações Clínicas, Sumaré e Vila Madalena. Antes da inauguração nesta semana, a Oscar Freire teve como últimas previsões de entrega os prazos de agosto de 2016 e, posteriormente, março deste ano.

Oscar Freire foi concluída com seis anos de atraso, previsão anterior era 2012 / Grupo 1 de Jornais São Paulo-Morumbi

As demais estações da Linha 4 - Amarela que ainda não foram entregues não tiveram a sua última previsão de entrega alterada até o momento. A São Paulo-Morumbi deve ser inaugurada em julho, no cruzamento das avenidas Jorge João Saad e Professor Francisco Morato. Junto à parada está prevista a conexão com o monotrilho da futura Linha 17 - Ouro, esta sem prazo para construção.

Já a Estação Vila Sônia tem previsão de entrega para o final de 2019. A execução do projeto é a mais complexa da Linha 4 - Amarela, pois além das plataformas subterrâneas compreende a construção de um terminal de ônibus. No entanto, o pátio de manobras dos trens deve ser concluído antes, em agosto de 2018.

Metrô estima que 23 mil usuários utilizem nova estação por dia / Governo do Estado

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
 
         
     


Gastronomia

Colunistas

Tecnologia