O Grupo 1 Edição Digital Grupo 1 Mobile Fale Conosco
Receba nossas notícias

19/11/2017

Moradores plantam árvores no Largo da Batata

Publicado em 11/05/2017

Terreno onde ocorreu o plantio surgiu depois de desapropriações para as obras viárias em meados de 2007

Largo da Batata ganhou 400 árvores em ação voluntária de moradores; trabalho não contou com recursos públicos / Sérgio Shigeeda – Reprodução – Facebook Por Diego Gouvêa

Após as obras de reconversão urbana do Largo da Batata, uma área verde de 500 metros quadrados ao lado da Igreja Nossa Senhora de Monte Serrat permaneceu inutilizada pela população. Porém, no último domingo (7), moradores e ativistas ambientais realizaram o plantio de 400 árvores nativas no local, que em breve deve virar um pequeno bosque em meio à adensada região central de Pinheiros.

Ao todo, foram plantadas 80 espécies diferentes, entre cambucis, canelas, figueiras, embaúbas, copaíbas e pinheiros de araucária, símbolo do bairro. A ação foi iniciada após o preparo da terra, realizado na última sexta-feira (5) com um pequeno trator. “Era um terreno extremamente pobre e compactado, onde nenhuma vegetação crescia. De tão árido, acabou virando um depósito de lixo”, conta o botânico Ricardo Cardim, um dos idealizadores da iniciativa junto ao movimento “Novas Árvores por Aí”.

Sem recursos públicos, cerca de 150 voluntários participaram do plantio, que agora deve proporcionar benefícios ao Largo da Batata. “Os efeitos do trabalho devem ser sentidos pelo público dentro de um ano, quando as copas das primeiras árvores estiverem fazendo sombra no passeio”, afirma Cardim.

“Precisamos também do poder público, pois realizamos um trabalho que não era nosso” -  Ricardo Cardim.O terreno onde ocorreu o plantio surgiu depois de desapropriações para as obras de extensão da Rua Padre Carvalho até a Rua Butantã, em meados de 2007. No entanto, com o fim das obras nas imediações, o terreno ficou sem função urbanística definida e isolado por tapumes. Após a retirada do cercado, foram colocadas grama e plantas pela Prefeitura, mas nenhuma das medidas promoveu a integração do espaço à região. Como resultado, a área verde virou um depósito de lixo e entulho.    

Tentativas para reativar o local foram feitas por moradores e ONGs, como a realização de sessões de cinema com filmes projetados na parede do imóvel vizinho. Houve também a instalação de um jardim vertical, mas, sem a devida manutenção, o sucesso da iniciativa não durou muito.

Assim, em dezembro do ano passado, um novo grupo de moradores e ambientalistas se organizou para reintegrar de uma vez por todas o local à região. “Tivemos muitas dificuldades para conseguir os recursos, pois uma floresta como essa sai por volta de R$ 50 mil”, explica Ricardo Cardim.

Com a mobilização do grupo e o aval da Prefeitura Regional de Pinheiros, os idealizadores do projeto conseguiram obter a doação de mudas, adubo e do maquinário necessário para preparar a terra para o plantio. “No local havia uma argila sem matéria orgânica e uma laje semelhante ao cimento, mas conseguimos revirar o solo e encontrar terra preta do Rio Pinheiros, onde também trabalhamos com adubo”, afirma o urbanista e morador da região Sérgio Reis, que também coordenou a ação.

Sérgio Reis planta árvores há 40 anos, mas considera o novo espaço um dos mais importantes em que já trabalhou como voluntário. “A maioria dos plantios que fazemos acontece em parques, mas esse lugar tem posição estratégica por ser árido e até hostil. Esse trabalho dá um sinal à população de que alguém quer uma cidade melhor”, afirma ele, que já plantou árvores na Marginal Pinheiros e na Avenida Brigadeiro Faria Lima.  

Com o plantio realizado, moradores, ambientalistas e iniciativa privada se comprometem a ajudar na manutenção da área verde, com o apoio da administração municipal. “Precisamos também do poder público, pois realizamos um trabalho que não era nosso”, afirma Ricardo Cardim.

Terreno antes do plantio, sem função urbanística definida / GoogleMapsPor conta própria

A reivindicação do plantio de árvores na região do Largo da Batata pelos moradores não é novidade. Desde que as obras de reconversão urbana foram iniciadas, em 2007, associações de bairro e coletivos como “A Batata Precisa de Você” fizeram diversos apelos à administração municipal para que implementasse um projeto de arborização.

Ao longo das gestões Gilberto Kassab e Fernando Haddad, alguns plantios foram realizados na região, mas poucas árvores vingaram no ambiente quente e árido do novo Largo da Batata.

Diante desse cenário, no início de 2015 um morador plantou 32 exemplares sem o consentimento da Prefeitura. Na ocasião, foi descoberto que o solo da região era raso, com pouco espaço para que as raízes das árvores se desenvolvessem. Isso obrigou a equipe contratada pelo autor da iniciativa a utilizar britadeiras para viabilizar o plantio. Hoje, dois anos depois, a vegetação plantada de forma clandestina alivia o forte calor em meio ao Largo da Batata.

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
 
         
     


Gastronomia

Colunistas

Tecnologia