O Grupo 1 Edição Digital Grupo 1 Mobile Fale Conosco
Receba nossas notícias

19/11/2017

Fique atenta!

Publicado em 27/10/2017

Faça o autoexame

O autoexame das mamas deve fazer parte da rotina das mulheres. Importante arma de detecção precoce, pode auxiliar no combate à doença. A Gazeta de Pinheiros – Grupo 1 de Jornais conversou sobre o tema com Cíntia de Gouveia Nunes, oncologista clínica do Hospital Santa Cruz. 

Pixabay

Gazeta de Pinheiros - Como deve ser feito o autoexame de mama?

Cíntia de Gouveia Nunes - O autoexame deve ser realizado pela própria mulher, auxiliando no conhecimento do próprio corpo. Entretanto, é importante ressaltar que não substitui o exame clínico, a ser realizado por um profissional de saúde treinado. O procedimento para o autoexame é o seguinte:

a) Deitada, ou no chuveiro, coloque a mão direita atrás da cabeça. Deslize suavemente os dedos indicador, médio e anelar da mão esquerda, em movimentos circulares, por toda a mama direita. Repita o movimento utilizando a mão direta para examinar a mama esquerda.

b) Inspecione também as mamas com os braços abaixados ao longo do corpo.

c) Levante os braços, colocando as mãos na cabeça.

Observe se ocorre alguma mudança no contorno ou no bico das mamas.

Repita a observação, colocando as mãos na cintura e apertando-a. Observe se há qualquer alteração.

Finalmente, esprema o mamilo delicadamente e observe se sai qualquer secreção.

A observação de alterações cutâneas ou no bico do seio, de nódulos ou espessamentos e secreções mamárias não significa necessariamente a existência de câncer. Oitenta por cento dos nódulos mamários são benignos, e apenas uma pequena porcentagem das secreções está relacionada ao câncer.

Mas, caso observe alguma alteração, a mulher deve procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo.

GP - E com qual periodicidade?

CGN - O autoexame deve ser realizado uma vez por mês, na semana seguinte ao término da menstruação. As mulheres que não menstruam devem determinar um dia específico para o autoexame todo mês.

GP – Em caso de dúvida, qual deve ser o procedimento?

CGN - O autoexame não é um método diagnóstico, e não substitui a visita ao mastologista. A mamografia é o único método de detecção precoce. Portanto, peça sempre orientações a um médico especialista.

GP - Qual a indicação para visitas ao ginecologista?

CGN - Pelo menos uma vez ao ano, a partir dos 20 anos, ou conforme orientação do seu médico, em casos especiais. Se notada alguma alteração nos seios, é imprescindível que a consulta seja antecipada.

Ao chegar aos 40 anos, o médico passará a pedir exames específicos anualmente, como mamografia. Quando há casos de tumores na família, é recomendada a realização da mamografia a partir dos 35 anos.

GP - Caso a mulher ache um nódulo, o que fazer?

CGN - Passar por avaliação com um especialista para que avalie a lesão. Ele julgará a necessidade de exames como mamografia, ultrassom, citologia ou biópsia.

GP - Se o nódulo for benigno, qual o procedimento?

CGN - Até 80% dos nódulos mamários palpáveis são alterações benignas que não aumentam significativamente o risco de câncer de mama. A grande maioria dos nódulos será apenas observada, e alguns casos necessitarão de cirurgia.

GP - E se for maligno? Em quanto tempo deve-se agir? E como?

CGN - Procure o mais precocemente possível acompanhamento médico especializado com mastologista ou oncologista clínico para a realização dos exames necessários ao estadiamento da doença e à definição do tratamento.

Existem diversos tratamentos para o câncer de mama, como cirurgia, quimioterapia, radioterapia, terapias-alvo e hormonioterapia, os quais podem ser combinados ou não.

Rodrigo Luiz Vianna

 

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
 
         
     


Gastronomia

Colunistas

Tecnologia