O Grupo 1 Edição Digital Grupo 1 Mobile Fale Conosco
Receba nossas notícias

20/09/2017

Filmes - Destaques da semana

Publicado em 04/05/2017

Rock and Roll na veia

Rock and Roll na veia

Bodi, um mastim tibetano e futuro cão de guarda de sua pequena aldeia, decide mudar radicalmente o rumo de sua vida, indo para a cidade grande realizar o sonho de gravar um disco com a lenda do rock Angus Scattergood, contrariando o pai. Ótima trilha sonora, com destaque para a música Learn to Fly, do Foo Fighters.

Rock Dog – No faro do sucesso (China, EUA, 2016, de Ash Brannon, Animação, 80 min., Livre) Nota: 2,5

 

Anatomia sinistra

Pai e filho, Tommy Tilden (Brian Cox) e Austin Tilden (Emile Hirsch), comandam um típico necrotério no interior dos Estados Unidos. O negócio funciona no porão da própria casa, infestado de ratos, com corredores rústicos e pouca iluminação, lembrando o interior do hotel do filme O Iluminado. Tudo começa quando o chefe de polícia lhes entrega o corpo intacto de uma bela e desconhecida jovem (Olwen Catherine Kelly), aparentando 20 anos, sem sinais de violência e sem impressões digitais. No decorrer da autópsia, descobre-se que o corpo foi queimado por dentro e os tornozelos e pulsos foram quebrados. Uma excelente aula de anatomia de medicina legal aos espectadores, cujo objetivo era apenas descobrir a causa mortis da garota, mas se tornou um pesadelo infernal. Vale pela ideia pouco explorada no cinema e por todo o suspense dos dois primeiros atos, apesar do desfecho infeliz, desvirtuado da proposta inicial.

A Autópsia (The Autopsy of Jane Doe, Reino Unido, EUA, 2016, de André Øvredal, Terror, 86 min., 14 anos) Nota: 3,0

 

Amizade à base de negócios

Desde o comovente Sempre Ao Seu Lado (2009), Richard Gere não tinha um papel de destaque como esse. Ele interpreta Norman Oppenheimer, um solitário judeu carente com necessidade de reconhecimento que todo santo dia faz marketing de rede pelo telefone, apresentando e influenciando insistentemente as pessoas. Como um mendigo de gala exposto ao frio nova-iorquino, ele veste o mesmo sobretudo o filme inteiro. É nítida a diferença de qualidade entre o seu terno de brechó e o terno sob medida do futuro ministro de Israel (Lior Ashkenazi), de postura e fala refinada, a quem ajudou. Um gesto simples, reconhecido pelo parlamentar, que o convidou para sua posse três anos depois. Satisfação análoga à de morar na Nova Jerusalém vinda dos Céus, descrita no livro Apocalipse. Por isso, Norman é considerado pelo político israelense um dos poucos amigos que tem na vida.

Norman – Confie Em Mim (Norman: the moderate rise and tragic fall of a New York fixer, Israel, EUA, 2016, de Joseph Cedar, Drama, 117 min., 10 anos) Nota: 3,5

 

Romance às avessas

Existem muitos filmes sobre jovens vivendo intensamente triângulos – ou quadriláteros – amorosos, mas este é diferente. O novo trabalho de Gabriele Muccino – mesmo diretor de À Procura da Felicidade – é ambientado em Roma, São Francisco e Cuba (país comunista cujas belezas paradisíacas foram mostradas pela terceira vez este ano, depois de A Lei da Noite e Velozes e Furiosos 8). A trama incomum é sobre Maria (Matilda Anna Ingrid Lutz) e Marco (Brando Pacitto), dois amigos de infância que não se bicam e são obrigados a passar uma semana com um desconhecido casal gay (Joseph Haro e Taylor Frey) em São Francisco. A maré começa a mudar após alguns dias de convívio intenso na terra do Tio Sam. Apesar da péssima e escura fotografia, o divertido elenco sustenta este bom filme, falado em inglês e italiano, o último muito mais agradável de se ouvir.

Sobre Viagens e Amores (L’estate Addosso, EUA, Itália, 2016, de Gabriele Muccino, Drama, 103 min., 16 anos) Nota: 3,0

 

Por dentro da guerra

Um grupo de pessoas, incluindo mulheres e crianças, fica preso num caminhão da polícia. O clima lá dentro é tenso, assim como do lado de fora, cheio de manifestantes, durante uma crise política envolvendo a saída de Mohamed Morsi da presidência do Egito.

Clash (Eshtebak, Egito, França, 2016, de Mohamed Diab, Drama, 97 min.) Nota: 4,0

 

A família que pagou o pato

Christian (Paul Schneider) retorna à terra natal para o casamento de seu pai, reencontrando familiares e amigos. Todos ficam curiosos para saber o motivo pelo qual deixou a cidade, o que leva à descoberta de muitos segredos. Baseado na peça The Wild Duck (o melhor personagem do filme).

A Filha (The Daughter, Austrália, 2016, de Simon Stone, com Geoffrey Rush, Sam Neill, Miranda Otto, Paul Schneider) Nota: 1,5

 

A mulher que se foi

Estratégia de uma mulher, presa por 30 anos, para se vingar do ex-amante. Vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza 2016.

(Ang babaeng humayo, Filipinas, 2016, de Lav Diaz, Drama, 226 min., 12 anos)

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
 
         
     


Gastronomia

Colunistas

Tecnologia