O Grupo 1 Edição Digital Grupo 1 Mobile Fale Conosco
Receba nossas notícias

23/09/2017

Moeda de ouro

Publicado em 08/07/2015

por Luiz Gonzaga Bertelli*

 A punição a menores infratores domina os debates nos últimos dias na mídia, nas redes sociais e nas conversas de botequim. As discussões em torno da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos inflamam-se e ganham repercussões na opinião pública, na medida em que cresce a participação dos jovens na criminalidade. Segundo o Datafolha, 87% da população é favorável à redução da idade penal. O que fica claro, em torno dessa celeuma, é que se deve ampliar o foco das discussões para a origem do problema. Entre as soluções prioritárias, encontra-se a urgência de potencializar a educação de qualidade para os jovens.

Uma proposta viável é aumentar o acesso dos estudantes às escolas de tempo integral. Com ocupação o dia inteiro, longe das ruas e das más influências, os jovens distanciam-se do mundo das drogas e das atividades ilícitas. Ganham uma melhor formação, o que aumenta a capacidade de força de trabalho e diminui sensivelmente os números da “geração nem-nem” – a população juvenil que nem trabalha nem estuda e, geralmente, nem procura emprego. Para que o remédio funcione a contento, é necessária ainda uma reforma estrutural no ensino médio, principalmente nas questões curriculares, incluindo matérias com forte apelo para a inserção do jovem no mercado de trabalho.

Não só o poder público, mas a sociedade como um todo deve engajar-se nessa causa. As empresas que abrem suas portas para os jovens contribuem para a diminuição da criminalidade. Seja abrindo oportunidades de emprego, estágio ou aprendizagem, estará permitindo a possibilidade de uma vida melhor para a família desses jovens que entram no mercado de trabalho sonhando com um futuro promissor.

Somente com educação de qualidade, e, consequentemente, com a diminuição das desigualdades sociais, é que poderemos sonhar com a diminuição das estatísticas de criminalidade. Como dizia o sábio Padre António Vieira, “a boa educação é moeda de ouro; em toda a parte tem valor”.

* Luiz Gonzaga Bertelli é presidente do Conselho de Administração do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
 
         
     


Gastronomia

Colunistas

Tecnologia